Fale Conosco
  • phone
    (11) 98265-3769
  • (11) 2721-9423
  • location_on

    Rua Ângelo Santesso, 16 / Jardim Itamarati - CEP: 03931-040 São Paulo - SP

Deixe sua Mensagem

    Vamos elevar seus negócios ao próximo nível?

    

    Servidores terão salários congelados e Estados e Municípios receberão ajuda

    O Senado Federal aprovou na noite de sábado, (2), um pacote num valor de R$ 120 bilhões que servirão de socorro aos estados e municípios durante a pandemia do novo coronavírus. por causa do isolamento social, a sessão foi realizada de forma online.

    Desses R$ 120 bilhões, R$ 60 bilhões serão repassados para governadores e prefeitos. Essa ajuda será de 4 meses.

    O texto aprovado vai seguir para análise na Câmara dos Deputados. Se houver alterações, ele voltará ao Senado. Caso não haja alterações seguirá para a sanção do presidente Jair Bolsonaro.

    Davi Alcolumbre do partido do DEM-AP, foi o autor do auxílio aos estados e municípios. Coube a ele também ser o relator sendo auxiliado pela equipe econômica do governo.

    O mais interessante, foi a rapidez da aprovação. O texto do documento foi finalizado na tarde do sábado, ou seja, minutos antes de ser aprovado pelos senadores.

    Mas a medida teve um preço, o congelamento dos salários dos servidores públicos. Segundo o ministro da economia, Paulo Guedes, o congelamento dos salários não irá afetar os servidores que estão atuando diretamente no combate da pandemia.

    R$ 10 bilhões, dos R$ 60 bilhões, serão para o combate ao novo coronavírus na saúde, com isso serão R$ 7 bilhões para os Estados e R$ 3 bilhões para as cidades, cuja a distribuição vai ser de acordo com o número da população.

    Alcolumbre argumentou que a distribuição da verba tem um peso de 60% e a taxa de incidência da Covid-19 terá um peso de 40%, estimulando a realização de testes da doença.

    Os R$ 50 bilhões que sobraram serão usados livremente, o que poderá ajudar a garantir o funcionamento econômico.

    Os estados tiveram uma perda no ICMS e os municípios no ISS (impostos estaduais e municipais).

    O senador Eduardo Braga do partido do MDB-AM, fez uma emenda no texto, dos R$ 120 bilhões repassados, R$ 60 bilhões irá direto para o caixa vazio dos estados e municípios.

    Ou seja, serão 60% para os governadores e 40% para os prefeitos, desse modo, o valor do repasse será abatido dos encargos da dívida pública de estados e municípios.

    Veja o que disse o presidente do Senado e também relator do texto:

    “É fundamental dar o apoio necessário aos profissionais de saúde e de assistência, garantindo, quando for o caso, suporte financeiro para o transporte, abrigo e proteção para que desempenhem a principal função durante a crise, que é preservar vida”.

    Entretanto, também aceitou uma alteração que prevê a suspensão da parcela de débitos previdenciários dos últimos anos de 2019 dos entes que estão em dívida. Com essa decisão a União deixará de arrecadar R$ 5,6 bilhões.

    O relatório também diz que serão permitidas progressões para ocupantes de cargos estruturados em carreiras sejam preservadas durante o período de pandemia do coronavírus. O que acontece agora com os militares federais e estaduais.

    E Davi Alcolumbre encerra dizendo:

    “Vamos acatar a mudança para contemplar servidores civis e militares e, no hall das emendas, atender os integrantes das forças armadas também”.

    Fonte: Jornal Contábil.

    Marcadores:

    Não perca mais nenhum post!

    Assine nosso blog e receba novos posts frequentemente em seu email.